Ensemble - Sociedade de Actores com Né Barros

A História do Soldado
de Stravinsky/Ramuz

Ensemble - Sociedade de Actores com Né Barros

© Balleteatro/Flávio Rodrigues

Outubro

6/10 qua 19:30 CAMPO ALEGRE Auditório
7/10 qui 19:30 CAMPO ALEGRE Auditório
8/10 sex 21:00 CAMPO ALEGRE Auditório
9/10 sáb 21:00 CAMPO ALEGRE Auditório
10/10 dom 17:00 TMP ONLINE

CAMPO ALEGRE & ONLINE

Teatro ⁄ Dança
Estreia
Preço 9€ (Campo Alegre) / 3.50€ (TMP Online)
Duração 60min
Classificação etária 12+
Condições TMP Online Visualização disponível 24h (entre as 17h00 de 10 de outubro e as 23h59 de 11 de outubro)

Folha de sala (pdf)

A peça A História do Soldado resulta da colaboração do compositor Igor Stravinsky com o escritor suíço C. F. Ramuz durante o período da Primeira Grande Guerra, em 1918. A história é contada por três atores, um grupo de bailarinos e uma banda de sete músicos. Musicalmente, A  História do Soldado  ocupa um lugar importante na produção de Stravinsky, e na história da música do século XX em geral.
Um soldado de regresso à terra em licença de quinze dias, pára para descansar e toca o seu pequeno violino. É interrompido pelo Diabo, disfarçado de velho, que o convence a dar-lhe o violino em troca de um livro mágico que prevê o futuro. O Diabo convida o soldado a ir para casa com ele por três dias para o ensinar a tocar. Quando o soldado finalmente chega à sua aldeia, encontra a namorada casada com outro e toda a gente que o vê, até mesmo a sua mãe, pensa que ele é um fantasma. Percebe que tinha sido enganado – “não foram três dias, foram três anos” – e fica desesperado. Nem mesmo a vasta fortuna que acumulara o consegue animar. Quando o Diabo, desta vez disfarçado de velha, lhe oferece o violino de volta, ele não consegue extrair qualquer som do instrumento. Desgostoso, deita-o fora, rasga o livro e resolve partir. Até que chega a outro país, onde vive um Rei, que tem uma filha presa numa estranha melancolia. O Rei decretara que qualquer homem que a conseguisse curar poderia tomar a sua mão em casamento. O soldado decide tentar a sua sorte, e dirige-se audaciosamente para o palácio. Aí encontra um concorrente: o Diabo, disfarçado de violinista virtuoso. Mas consegue vencê-lo num jogo de carta e perdendo, propositadamente, toda a sua fortuna ganha de forma desonesta. Então descobre que consegue tocar novamente o violino e, melhor ainda, o som da sua música reanima a Princesa. O Diabo, finalmente na sua figura, tenta intervir, mas é forçado a dançar ao som do violino até cair exausto. O Soldado e a Princesa estão alegremente unidos, mas o Diabo jura vingança.


Fundado em 1996 pelos atores Emília Silvestre e Jorge Pinto, o Ensemble — Sociedade de Atores é um projeto artístico de criação, experimentação e formação. Tem apresentado espetáculos de autores tão diversos como Molière, Shakespeare, Tchekhov ou Ibsen, Brian Friel, Samuel Beckett, Arnold Wesker, Tom Kempinski ou Jean Cocteau e ainda textos originais e levado à cena dramaturgos portugueses como Luísa Costa Gomes, Jacinto Lucas Pires, Mickael de Oliveira e Ricardo Alves, que envolveram dezenas de atores, bailarinos e músicos, encenadores e coreógrafos, designers de luz, som e vídeo, cenógrafos e figurinistas de todo o país.

Outubro

6/10 qua 19:30 CAMPO ALEGRE Auditório
7/10 qui 19:30 CAMPO ALEGRE Auditório
8/10 sex 21:00 CAMPO ALEGRE Auditório
9/10 sáb 21:00 CAMPO ALEGRE Auditório
10/10 dom 17:00 TMP ONLINE

CAMPO ALEGRE & ONLINE

Teatro ⁄ Dança
Estreia
Preço 9€ (Campo Alegre) / 3.50€ (TMP Online)
Duração 60min
Classificação etária 12+
Condições TMP Online Visualização disponível 24h (entre as 17h00 de 10 de outubro e as 23h59 de 11 de outubro)

Folha de sala (pdf)

Direção e coreografia Né Barros
Maestro Jan Wierzba
Tradução Leena Marques
Interpretação Jorge Pinto
Bailarinos Beatriz Valentim, João Oliveira, Afonso Cunha, Guilherme Vieira
Músicos André Gaio Pereira (violino), Francisca Sá Machado (contrabaixo), Frederic Cardoso (clarinete), Cândida Nunes (fagote), Telmo Barbosa (trompete), Tiago Nunes (trombone), Pedro Góis (percussão)
Desenho de luz José Álvaro Correia
Desenho de som Ricardo Pinto
Cenografia e figurinos Flávio Rodrigues
Pianista correpetidor Bernardo Soares
Assistente Pedro Alves
Apoios Balleteatro (apoio à residência artística), Drumming Grupo de Percussão, A Turma
Coprodução Ensemble - Sociedade de Actores, Teatro Municipal do Porto
 

Conteúdo Relacionado

Entrevista

Entrevista

Jorge Pinto

Setembro

Sex24

Entrevista

Entrevista

Né Barros

Setembro

Sex24